Encontro Ação Ecológica, Transição Sustentável e Regeneração

Resumo do Encontro de Famalicão, 7/10/2017

Ocorreu no passado dia 7 de outubro de 2017, em Vila Nova de Famalicão, o «Encontro «Ação Ecológica, Transição Sustentável e Regeneração», que reuniu cerca de 35 associações ligadas à defesa do ambiente.

O evento foi organizado pela Associação Famalicão em Transição e Campo Aberto - associação de defesa do ambiente, em parceria e com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, que cedeu o espaço na Casa do Território, Parque da Devesa.

O encontro teve como objetivo a partilha, a troca de experiências e de perspetivas das diversas coletividades ligadas ao ambiente, provenientes de todos os pontos do país e com trabalho realizado nesta área, de modo a conhecer-se, em profundidade e abrangência, a situação ecológica e ambiental do Noroeste de Portugal.

Apesar da maioria dos grupos presentes serem do Norte de Portugal, participaram também outras associações de âmbito nacional, como a Acréscimo, AMO Portugal- Associação Mãos à Obra, LPN - Liga para a Proteção da Natureza, SEA - Sociedade de Ética Ambiental, Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza e Zero - Associação Sistema Terrestre Sustentável.

As associações organizadoras congratularam-se pela forma como decorreu o Encontro, que superou as expectativas. Foi forte a motivação e a participação, que ultrapassou as fronteiras do "Norte", trazendo a Famalicão várias associações de âmbito nacional, ligadas à proteção do ambiente.

Deste evento ficou a vontade generalizada de uma ação conjunta e coordenada pela proteção dos rios, o foco no envolvimento da população e das instituições locais, assim como o debate sobre todas as questões relacionadas com os incêndios florestais, numa perspetiva de prevenção, através da defesa e promoção da floresta autóctone, da forte redução de monoculturas de eucalipto e do reforço da vigilância florestal.

Segundo alguns alertaram, é de salientar a questão do papel ambíguo e perigoso que poderão vir a ter centrais de biomassa de resíduos florestais caso a capacidade a instalar venha a superar o volume de resíduos que podem ser produzidos se não houver incêndios.

No final as entidades interessadas assinaram a Carta de Famalicão: o espírito e as práticas, documento que visa contribuir para que no País se enfrentem problemas decisivos para o nosso futuro comum, como são os do território, da preservação dos nossos recursos naturais, da qualidade de vida, da energia, do clima e de uma economia sustentável, numa atitude que, em vez de agredir esses valores essenciais, os proteja e salvaguarde.

.
Programa "O Som é a Enxada", 7/2/2018, na Rádio Manobras sobre a Carta de Famalicão, com José Carlos Marques